terça-feira, 30 de Novembro de 2010

Promo Mocifão Dia a Dia, Com Azia!



A partir de Dezembro de 2010 nas livrarias Mongorhead, KingPin e Dr. Kartoon.


Pré Lançamento do livro Mocifão - Dia a Dia, Com Azia!

02 de Dezembro às 21:30

No Bar Baliza na Bica
Bica Duarte Belo, 51 - A
Lisboa, Portugal



Mais coisas aqui ->



Pinto da Costa chega a casa e grita:

- Querida. Prepara-te que bais lebar 4 quecas, carago!

- Amor, responde a Carolina. - Tomastes 4 Biagras?

- Não! Trago 3 árbitros...


sábado, 27 de Novembro de 2010

A Insustentável Leveza do Ser: Para avivar a memória a quem, por norma, não anota...

A Insustentável Leveza do Ser: Para avivar a memória a quem, por norma, não anota...: "Um  dos Motivos porque o Governo se tornou fiador de 20 mil  milhões de euros de transacções intra bancárias...?   Os governantes de hoje, ..."

Barbie Advogada


O sujeito lembra-se que é o aniversário de sua filha e que ainda não havia comprado seu presente.

Ele pára seu carro diante de uma loja de brinquedos, entra pergunta à vendedora:

- Quanto custa a Barbie que está na vitrine?

De uma forma educada a vendedora responde:

- Qual Barbie? Pois nós temos:

* Barbie vai a academia por R$ 19,95

* Barbie joga volley por R$ 19,95

* Barbie vai as compras por R$ 19,95

* Barbie vai a praia por R$ 19,95

* Barbie vai dançar por R$ 19,95

* Barbie advogada divorciada por R$ 265,95.


O cara, assombrado, pergunta:

-Por que a Barbie advogada divorciada custa R$ 265,95, enquanto as outras custam apenas R$ 19,95?

A vendedora responde:

- Senhor, a Barbie divorciada vem com:

* O carro do Bob,

* A casa do Bob,

* A Lancha do Bob,

* O trailler do Bob,

* Os móveis do Bob,

* O celular do Bob.

sexta-feira, 26 de Novembro de 2010

Paróquias estão a ficar sem dinheiro para ajudar os mais pobres

Fundos de solidariedade à beira da ruptura financeira
Paróquias estão a ficar sem dinheiro para ajudar os mais pobres

26.11.2010 - 09:38 Por PÚBLICO


Os fundos de solidariedade de várias paróquias do país estão à beira da ruptura financeira, pondo em risco a ajuda que a Igreja presta aos mais pobres, alertam vários bispos que pensam agora em novas formas de combater a pobreza.

O arcebispo de Braga desafiou os 421 padres da diocese a contribuírem com um ordenado para o Fundo Partilhar com Esperança, conta hoje o Jornal de Notícias. O bispo de Beja, D. António Vitalino Dantas, lançou um repto aos sacerdotes, bispos e aos fiéis para contribuírem com o que puderem. Os 61 sacerdotes da diocese “não podem despender um ordenado” porque “também ganham pouco”, disse ao jornal. Mas “com boa vontade consegue-se ajudar quem mais precisa”.
(...)

Artigo na íntegra aqui: Publico Online




A escolha das imagens é da nossa responsabilidade.

Ugly girl


© Thomas R. Smith

quarta-feira, 24 de Novembro de 2010

Orçamento e PEC para Dummies

Dignidade na Póvoa de Varzim


Na tarde do próximo sábado, a exposição D!GNiDADE inaugura na biblioteca municipal da Póvoa de Varzim, onde ficará até 11 de Dezembro.
Trata-se de uma organização conjunta da FecoPortugal e Amnistia Internacional, que conta localmente com o apoio da Câmara Municipal da Póvoa de Varzim.
A coordenação local é exercida pelo nosso associado Ricardo Campos.



Clique nas imagens para as aumentar.

Mais aqui - Feco Portugal

Jel e Irmão vão de Cana

domingo, 21 de Novembro de 2010

Procuro cavalheiro

Votar es un placer

(Catalunha 2010) O voto é um prazer: a campanha socialista catalã



As reacções são mais interessantes do que o próprio anúncio. Vejamos:

No vídeo, a jovem fica cada vez mais animada e simula um orgasmo enquanto ela coloca o boletim na urna.
Ambos os socialistas e os políticos da oposição atacaram o vídeo da campanha.

Mas José Montilla, o líder do Partido Socialista da Catalunha, que está prestes a ser reeleito, disse: "Se ela incentiva as pessoas a votar, é uma coisa boa".


A líder conservadora do Partido Popular da Catalunha, Alicia Sánchez-Camacho, disse que o vídeo foi um "ataque à dignidade das mulheres".


O ministro da Saúde, Leire Pajin, socialista, exortou todas as partes para mostrar respeito pelas mulheres e atuar de forma responsável.


A ministra da Igualdade Socialista, Bibiana Aido, disse sobre o vídeo: "Se fosse verdade, a participação eleitoral iria subir muito, mas acho que estamos a lidar com um anúncio enganoso."


Um porta-voz do partido conservador CiU, Josep Antoni Duran Lleida, disse que o vídeo "em bruto" prejudicaria a participação.


O líder verde na Catalunha, Joan Herrera, disse que seria "muito difícil alcançar o orgasmo votando por qualquer dos candidatos, inclusive eu".


(...)


Mais aqui donde traduzimos, socraticamente e por preguiça com a ajuda do Google, as linhas acima.

sexta-feira, 19 de Novembro de 2010

BANQUEIRO



Certa tarde, um famoso banqueiro ia para casa, no seu enorme carro, quando viu dois homens à beira da estrada comendo relva.
Ordenou ao seu motorista que parasse.

... e, saindo, perguntou a um deles:
- Por que vocês estão a comer relva?
- Não temos dinheiro para comida.. - disse o pobre homem - Por isso temos que comer relva.
- Bem, então venham à minha casa e eu lhes darei de comer - disse o banqueiro.
- Obrigado, mas tenho mulher e dois filhos comigo. Estão ali, debaixo daquela árvore.
- Que venham também - disse novamente o banqueiro. E, voltando-se para o outro homem, disse-lhe:
- Você também pode vir.
O homem, com uma voz muito sumida disse:
- Mas, senhor, eu também tenho esposa e três filhos comigo!
- Pois que venham também. - Respondeu o banqueiro.
E entraram todos no enorme e luxuoso carro.
Uma vez a caminho, um dos homens olhou timidamente o banqueiro e disse:
- O senhor é muito bom. Obrigado por nos levar a todos!
O banqueiro respondeu:
- Meu caro, não tenha vergonha, fico muito feliz por fazê-lo! Vocês vão ficar encantados com a minha casa... A relva está com mais de 20 centímetros de altura!


terça-feira, 16 de Novembro de 2010

CENTENÁRIO DO NASCIMENTO DE FERNANDO BENTO

Crise

© Quino


Um dia Adão e Eva têm uma tremenda discussão. Fartos de se andarem a comer um ao outro separam-se.

Eva, que não podia passar sem uma boa queca, desesperada, decide procurar um parceiro.
Ia a andar, encontra um gorila a dormir numa Árvore e diz-lhe:
- Gorila damos uma trancada?

- Tu És maluca! Eu só como macacas!
Eva desesperada sobe à árvore atrás dele e o gorila foge.

Eva não o apanha mas ainda lhe consegue arrancar alguns pelos do cu...

Mais tarde, Eva encontra um dinossauro a dormir, acorda-o e diz:

- Dinossauro come-me toda!!!!

O dinossauro olha para ela de alto a baixo e diz:

- Tu deves ser louca! Já viste que a minha sarda é maior que tu!!!

Eva furiosa manda um pedra ao olho do dinossauro, fê-lo cair da falésia abaixo e ele morre...

Completamente rebarbada Eva passa por um lago e vê um peixe aos saltos.

Mergulha, vai ter com ele e pergunta-lhe se quer dar uma queca. O peixe todo contente diz que sim. Eva vai então para a margem do lago e abre as pernocas.

O peixe salta da água e vai para dentro e para fora várias vezes e assim.

Eva consegue ter a sua queca.............



*QUAL É A MORAL DESTA HISTÓRIA? *

1º - Já sabemos porque é que os macacos não têm pelos no cu;

2 º- Já sabemos porque é que os dinossauros desapareceram;

3 º - Só não sabemos qual era o cheiro que os peixes tinham antes.

domingo, 14 de Novembro de 2010

Border patrol

© Clay Bennett

Eduardo Prado Coelho





Eduardo Prado Coelho, antes de falecer (25/08/2007), teve a lucidez de nos deixar esta reflexão, sobre nós todos, por isso façam uma leitura atenta.



Precisa-se de matéria prima para construir um País
Eduardo Prado Coelho - in Público



A crença geral anterior era de que Santana Lopes não servia, bem como Cavaco, Durão e Guterres.

Agora dizemos que Sócrates não serve.

E o que vier depois de Sócrates também não servirá para nada.

Por isso começo a suspeitar que o problema não está no trapalhão que foi Santana Lopes ou na farsa que é o Sócrates.

O problema está em nós. Nós como povo.

Nós como matéria prima de um país.

Porque pertenço a um país onde a ESPERTEZA é a moeda sempre valorizada, tanto ou mais do que o euro.

Um país onde ficar rico da noite para o dia é uma virtude mais apreciada do que formar uma família baseada em valores e respeito aos demais.

Pertenço a um país onde, lamentavelmente, os jornais jamais poderão ser vendidos como em outros países, isto é, pondo umas caixas nos passeios onde se paga por um só jornal E SE TIRA UM SÓ JORNAL,
DEIXANDO-SE OS DEMAIS ONDE ESTÃO.

Pertenço ao país onde as EMPRESAS PRIVADAS são fornecedoras particulares dos seus empregados pouco honestos, que levam para casa,
como se fosse correcto, folhas de papel, lápis, canetas, clips e tudo o que possa ser útil para os trabalhos de escola dos filhos... e para eles mesmos.

Pertenço a um país onde as pessoas se sentem espertas porque
conseguiram comprar um descodificador falso da TV Cabo, onde se frauda a declaração de IRS para não pagar ou pagar menos impostos.

Pertenço a um país:

-Onde a falta de pontualidade é um hábito;

-Onde os directores das empresas não valorizam o capital humano.

-Onde há pouco interesse pela ecologia, onde as pessoas atiram lixo nas ruas e, depois, reclamam do governo por não limpar os esgotos.

-Onde pessoas se queixam que a luz e a água são serviços caros.

-Onde não existe a cultura pela leitura (onde os nossos jovens dizem que é 'muito chato ter que ler') e não há consciência nem memória
política, histórica nem económica.

-Onde os nossos políticos trabalham dois dias por semana para aprovar projectos e leis que só servem para caçar os pobres, arreliar a classe média e beneficiar alguns.

Pertenço a um país onde as cartas de condução e as declarações médicas
podem ser 'compradas', sem se fazer qualquer exame.

-Um país onde uma pessoa de idade avançada, ou uma mulher com uma criança nos braços, ou um inválido, fica em pé no autocarro, enquanto a pessoa que está sentada finge que dorme para não lhe dar o lugar.

-Um país no qual a prioridade de passagem é para o carro e não para o peão.

-Um país onde fazemos muitas coisas erradas, mas estamos sempre a criticar os nossos governantes.

Quanto mais analiso os defeitos de Santana Lopes e de Sócrates, melhor me sinto como pessoa, apesar de que ainda ontem corrompi um guarda de trânsito para não ser multado.

Quanto mais digo o quanto o Cavaco é culpado, melhor sou eu como português, apesar de que ainda hoje pela manhã explorei um cliente que confiava em mim, o que me ajudou a pagar algumas dívidas.

Não. Não. Não. Já basta.

Como 'matéria prima' de um país, temos muitas coisas boas, mas falta muito para sermos os homens e as mulheres que o nosso país precisa.

Esses defeitos, essa 'CHICO-ESPERTERTICE PORTUGUESA' congénita, essa desonestidade em pequena escala, que depois cresce e evolui até se converter em casos escandalosos na política, essa falta de qualidade humana, mais do que Santana, Guterres, Cavaco ou Sócrates, é que é real e honestamente má, porque todos eles são portugueses como nós,
ELEITOS POR NÓS. Nascidos aqui, não noutra parte...

Fico triste.

Porque, ainda que Sócrates se fosse embora hoje, o próximo que o suceder terá que continuar a trabalhar com a mesma matéria prima
defeituosa que, como povo, somos nós mesmos.

E não poderá fazer nada...

Não tenho nenhuma garantia de que alguém possa fazer melhor, mas enquanto alguém não sinalizar um caminho destinado a erradicar primeiro os vícios que temos como povo, ninguém servirá.

Nem serviu Santana, nem serviu Guterres, não serviu Cavaco, nem serve Sócrates e nem servirá o que vier.

Qual é a alternativa ?

Precisamos de mais um ditador, para que nos faça cumprir a lei com a força e por meio do terror ?

Aqui faz falta outra coisa. E enquanto essa 'outra coisa' não comece a surgir de baixo para cima, ou de cima para baixo, ou do centro para os lados, ou como queiram, seguiremos igualmente condenados, igualmente estancados... igualmente abusados !

É muito bom ser português. Mas quando essa portugalidade autóctone começa a ser um empecilho às nossas possibilidades de desenvolvimento
como Nação, então tudo muda...

Não esperemos acender uma vela a todos os santos, a ver se nos mandam um messias.

Nós temos que mudar. Um novo governante com os mesmos portugueses nada poderá fazer.

Está muito claro... Somos nós que temos que mudar.

Sim, creio que isto encaixa muito bem em tudo o que anda a acontecer-nos:

Desculpamos a mediocridade de programas de televisão nefastos e,
francamente, somos tolerantes com o fracasso.

É a indústria da desculpa e da estupidez.

Agora, depois desta mensagem, francamente, decidi procurar o responsável, não para o castigar, mas para lhe exigir (sim, exigir)
que melhore o seu comportamento e que não se faça de mouco, de desentendido.

Sim, decidi procurar o responsável e ESTOU SEGURO DE QUE O ENCONTRAREI
QUANDO ME OLHAR NO ESPELHO.

AÍ ESTÁ. NÃO PRECISO PROCURÁ-LO NOUTRO LADO.

E você, o que pensa ?... MEDITE !


EDUARDO PRADO COELHO

quinta-feira, 11 de Novembro de 2010

Palestins IV

© Juli Sanchis


Duas freiras saíram do convento para vender biscoitos.

Uma é conhecida como Irmã Matemática (M) e a outra é conhecida como Irmã Lógica (L):
M - Está ficando escuro e nós ainda estamos longe do convento!
L - Você reparou que um homem está nos seguindo há meia hora?
M - Sim, o que será que ele quer?
L - É lógico! Ele quer nos estuprar.
M - Oh não! Se continuarmos neste ritmo ele vai nos alcançar em no máximo 15 minutos. O que vamos fazer?
L - A única coisa lógica a fazer é andarmos mais rápido!
M - Não está funcionando.
L - Claro que não! Ele fez a única coisa lógica a fazer, ele também começou a andar mais rápido.
M - E agora, o que devemos fazer? Ele nos alcançará em 1 minuto!
L - A única coisa lógica que nos resta fazer, é nos separar! Você vai para aquele lado que eu vou para este lado. Ele não poderá seguir nós duas.
Então o homem decidiu seguir a Irmã Lógica.
A Irmã Matemática chegou ao convento preocupada com o que poderia ter acontecido à Irmã Lógica.
Passou um bom tempo e eis que a Irmã Lógica chega.
M - Irmã Lógica!! Graças a Deus você chegou! Me conte o que aconteceu!!
L - Aconteceu o lógico. O homem não podia seguir nós duas então ele optou por me seguir.
M - Então, o que aconteceu?
L - O lógico, eu comecei a correr o mais rápido que podia e ele correu o mais rápido que ele podia também ...
M - E?
L - Novamente aconteceu o lógico: ele me alcançou.
M - Oh meu Deus! O que você fez?
L - Eu fiz o lógico, levantei meu hábito.
M - Oh, Irmã!!!! E o que o homem fez?
L - Ele também fez o lógico, abaixou as calças.
M - Oh, não!!!!! O que aconteceu depois?
L - Não é óbvio, Irmã? Uma freira com o hábito levantado consegue correr muito mais rápido do que um homem com as calças abaixadas !!!

segunda-feira, 8 de Novembro de 2010

A justiça criminosa



Por uma vez gostava que em Portugal alguma coisa tivesse um fim, ponto final, assunto arrumado. Não se fala mais nisso. Vivemos no país mais inconclusivo do mundo, em permanente agitação sobre tudo e sem concluir nada.

Desde os Templários e as obras de Santa Engrácia que se sabe que nada acaba em Portugal, nada é levado às últimas consequências, nada é definitivo e tudo é improvisado, temporário, desenrascado. Da morte de Francisco Sá Carneiro e do eterno mistério que a rodeia, foi crime, não foi crime, ao desaparecimento de Madeleine McCann ou ao caso Casa Pia, sabemos de antemão que nunca saberemos o fim destas histórias, nem o que verdadeiramente se passou nem quem são os criminosos ou quantos crimes houve. Tudo a que temos direito são informações caídas a conta-gotas, pedaços do enigma, peças do quebra-cabeças. E habituámo-nos a prescindir de apurar a verdade porque intimamente achamos que não saber o final da história é uma coisa normal em Portugal e que este é um país onde as coisas importantes são "abafadas", como se vivêssemos ainda em ditadura. E os novos códigos Penal e de Processo Penal em nada vão mudar este estado de coisas. Apesar dos jornais e das televisões, dos blogues, dos computadores e da Internet, apesar de termos acesso em tempo real ao maior número de notícias de sempre, continuamos sem saber nada, e esperando nunca vir a saber com toda a naturalidade. Do caso Portucale à Operação Furacão, da compra dos submarinos às escutas ao primeiro-ministro, do caso da Universidade Independente ao caso da Universidade Moderna, do Futebol Clube do Porto ao Sport Lisboa e Benfica, da corrupção dos árbitros à corrupção dos autarcas, de Fátima Felgueiras a Isaltino Morais, da Bragaparques ao grande empresário Bibi, das queixas tardias de Catalina Pestana às de João Cravinho, há por aí alguém que acredite que algum destes secretos arquivos e seus possíveis e alegados, muito alegados crimes, acabem por ser investigados, julgados e devidamente punidos? Vale e Azevedo pagou por todos. Portugal tem um défice de responsabilidade civil, criminal e moral muito maior do que o seu défice financeiro, e nenhum português se preocupa com isso apesar de pagar os custos da morosidade, do secretismo, do encobrimento, do compadrio e da corrupção. Os portugueses, na sua infinita e pacata desordem existencial, acham tudo "normal" e encolhem os ombros. Quem se lembra dos doentes infectados por acidente e negligência com o vírus da sida? Quem se lembra do miúdo electrocutado no semáforo e do outro afogado num parque aquático? Quem se lembra das crianças assassinadas na Madeira e do mistério dos crimes imputados ao padre Frederico? Quem se lembra que um dos raros condenados em Portugal, o mesmo padre Frederico, acabou a passear no Calçadão de Copacabana? Quem se lembra do autarca alentejano queimado no seu carro e cuja cabeça foi roubada do Instituto de Medicina Legal?

Em todos estes casos, e muitos outros, menos falados e tão sombrios e enrodilhados como estes, a verdade a que tivemos direito foi nenhuma. No caso McCann, cujos desenvolvimentos vão do escabroso ao incrível, alguém acredita que se venha a descobrir o corpo da criança ou a condenar alguém? As últimas notícias dizem que Gerry McCann não seria pai biológico da criança, contribuindo para a confusão desta investigação em que a Polícia espalha rumores e indícios que não substancia. E a miúda desaparecida em Figueira? O que lhe aconteceu? E todas as crianças desaparecida antes delas, quem as procurou? E o processo do Parque, onde tantos clientes buscavam prostitutos, alguns menores, onde tanta gente "importante" estava envolvida, o que aconteceu? Arranjou-se um bode expiatório, foi o que aconteceu. E as famosas fotografias de Teresa Costa Macedo? Aquelas em que ela reconheceu imensa gente "importante", jogadores de futebol, milionários, políticos, onde estão? Foram destruídas? Quem as destruiu e porquê? E os crimes de evasão fiscal de Artur Albarran mais os negócios escuros do grupo Carlyle do senhor Carlucci em Portugal, onde é que isso pára? O mesmo grupo Carlyle onde labora o ex-ministro Martins da Cruz, apeado por causa de um pequeno crime sem importância, o da cunha para a sua filha. E aquele médico do Hospital de Santa Maria suspeito de ter assassinado doentes por negligência? Exerce medicina? E os que sobram e todos os dias vão praticando os seus crimes de colarinho branco sabendo que a justiça portuguesa não é apenas cega, é surda, muda, coxa e marreca.

Passado o prazo da intriga e do sensacionalismo, todos estes casos são arquivados nas gavetas das nossas consciências e condenados ao esquecimento. Ninguém quer saber a verdade. Ou, pelo menos, tentar saber a verdade. Nunca saberemos a verdade sobre o caso Casa Pia, nem saberemos quem eram as redes e os "senhores importantes" que abusaram, abusavam, abusam e abusarão de crianças em Portugal, sejam rapazes ou raparigas, visto que os abusos sobre meninas ficaram sempre na sombra. Existe em Portugal uma camada subterrânea de segredos e injustiças, de protecções e lavagens, de corporações e famílias, de eminências e reputações, de dinheiros e negociações que impede a escavação da verdade. Este é o maior fracasso da democracia portuguesa e contra isto o PS e o PSD que fizeram? Assinaram um iníquo pacto de justiça.

Clara Ferreira Alves

Daqui: Expresso

domingo, 7 de Novembro de 2010